Sudão reconhece decisão do Sul de se separar do país

O vice-presidente do Sudão, Ali Osman Taha, declarou hoje que Cartum aceitou a decisão dos eleitores que querem a independência da parte sul do país. Trata-se da primeira reação oficial do Norte após o anúncio dos resultados preliminares do plebiscito. "Nós anunciamos que aceitamos o resultado do referendo e concordamos com os resultados", disse Taha, em conversa com jornalistas na capital sudanesa, enfatizando a intenção do governo de "buscar uma política de boa vizinhança com o Sul".

AE, Agência Estado

31 de janeiro de 2011 | 19h58

Quase 99% dos sudaneses do Sul do país decidiram se separar do Norte durante o referendo realizado entre 9 e 15 de janeiro, segundo resultados preliminares anunciados ontem durante cerimônia à qual compareceu o presidente da região autônoma do sul Salva Kiir, em Juba, capital sulista.

Taha também prometeu hoje se esforçar para formar comitês conjuntos para resolver todas as questões importantes que são negociadas por Cartum e Juba antes da divisão, que deve ocorrer em julho, principalmente a disputada região fronteiriça de Abyei. Mais de 37 pessoas morreram em confrontos em Abyei no início deste mês, em meio a um impasse sobre um referendo simultâneo para decidir se a região permaneceria com o Sul ou com o Norte. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
referendoSudãoseparatismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.