Sudão rejeita resolução da ONU sobre Darfur

O governo do Sudão rejeitou de forma veemente nesta quinta-feira uma resolução das Nações Unidas que prevê o envio de uma força para a região de Darfur, no país.?O povo do Sudão não vai consentir com qualquer resolução que viole a sua soberania?, disse uma nota do governo divulgada pela agência oficial Suna.Na nota o governo diz que o povo do país deve ?fortalecer ainda mais a sua coesão e suas fileiras e se preparar para encarar qualquer cenário.?A resolução da ONU exige o consentimento de Cartum para que a força seja enviada.Assassinatos, estupros e deslocamentos continuam acontecendo em Darfur, mesmo com a presença de tropas da União Africana na região.Em três anos de conflitos, pelo menos 200 mil pessoas morreram e mais de dois milhões tiverem de abandonar suas casas.O governo sudanês sugeriu mandar 10 mil tropas nacionais para a região, mas países ocidentais e grupos humanitários dizem que isso pode piorar a situação.Também nesta quinta-feira, o Conselho de Segurança aprovou por 12 votos a 0 a resolução proposta pelos Estados Unidos e pela Grã-Bretanha que prevê o envio de uma força de 17,5 mil soldados e três mil policiais.Os outros três países que integram o conselho - China, Rússia e Catar - se abstiveram de votar, e o Sudão boicotou a sessão. Os Estados Unidos disseram que as abstenções são ?inexplicáveis?.?Cada dia de atraso apenas acrescenta mais para o sofrimento do povo sudanês e estende o genocídio?, afirmou o embaixador dos Estados Unidos na ONU, John Bolton.No início desta semana, o presidente sudanês, Omar al-Bashir, fez a secretária de Estado assistente americana para assuntos africanos, Jendayi Frazer, esperar por vários dias para entregar uma carta pedindo que presidente aceitasse as tropas da ONU.Ela vai pedir que o ministro de Relações Exteriores do país viaje para Washington para negociar o assunto.No dia 8 de setembro, autoridades sudaneses devem se encontrar com representantes da Liga Árabe, da União Africana e da Organização da Conferência Islâmica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.