Suécia apura denúncia de corrupção de jurados do Nobel

Os jurados do prêmio Nobel que aceitaram viagens gratuitas para a China para discutir as cobiçadas premiações estão sendo investigados sob suspeita de corrupção, disse hoje um procurador sueco. Nils-Erik Schultz, procurador anticorrupção, afirmou que abriu a investigação para determinar se as viagens, em 2006 e 2008, pretendiam influenciar a decisão do comitê do Nobel. Ele se negou a dar o nome dos jurados.A investigação foi motivada por uma reportagem de uma rádio sueca, segundo a qual os jurados dos prêmios de medicina, química e física foram convidados para uma viagem à China para explicar o processo de seleção e o que leva alguém a ganhar o prêmio Nobel. Autoridades chinesas pagaram pelas passagens, estadia e refeições, segundo a reportagem.Se condenados, os jurados enfrentarão multas ou até dois anos de prisão. No entanto, procuradores suecos normalmente abandonam investigações preliminares sem apresentar queixa. Gunnar Oquist, o secretário permanente da Academia Real Sueca de Ciência, que entrega os prêmio Nobel de química, física e economia, reconheceu que as viagens não foram apropriadas. "Nós devemos ser muito cuidadosos para não nos colocarmos em uma situação em que o comitê do Nobel seja questionado", disse. "Penso que deveríamos ter pensado nisso na ocasião."Cinco europeus, quatro americanos e três japoneses ganharam o prêmio Nobel de 2008. A última vez que a China ganhou um prêmio de ciência foi em 1957, quando dois chineses ganharam o Nobel de física.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.