Suécia não extraditará Assange para os EUA se houver ameça de pena de morte

Quem garante é Cecilia Riddselius, vice-diretora de assuntos penais do Ministério da Justiça

Agência EFE,

21 de agosto de 2012 | 04h10

BERLIM - A justiça sueca não extraditará o fundador do site WikiLeaks, Julian Assange, aos Estados Unidos se houver qualquer possibilidade de o ativista australiano ser condenado à pena de morte por revelar segredos de Estado. "Nunca entregaremos uma pessoa que estiver ameaçada de pena de morte", afirma Cecilia Riddselius, vice-diretora de assuntos penais e cooperação internacional do Ministério da Justiça sueca em declarações ao diário alemão "Frankfurter Rundschau".

 

Antes de decidir sobre a possibilidade de Assange ser extraditado aos Estados Unidos, este país deveria garantir à Suécia que o prisioneiro não seria executado em nenhum caso, avalia a alta funcionária da justiça sueca. Além disso, Riddselius ressalta que a justiça americana até agora não deu nenhum passo junto à Suécia para solicitar formalmente a extradição de Assange, assim como também não o fez perante as autoridades britânicas.

 

Assange é reclamado pela Justiça da Suécia devido às denúncias de duas mulheres por supostas agressões sexuais, as quais ele negou reiteradamente. O fundador do site WikiLeaks, de 41 anos, está abrigado na embaixada equatoriana em Londres desde 19 de junho, quando pediu proteção ao presidente Rafael Correa, cujo governo finalmente lhe concedeu asilo na quinta-feira passada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.