Suécia pede idéias contra intolerância

Preocupada com o crescente racismo dentro de suas fronteiras, a Suécia fez um apelo hoje a políticos, pesquisadores e ativistas dos direitos humanos de todo o mundo para que apresentem idéias específicas para o combate à disseminação da intolerância. "Poucas gerações depois da liberação de Auschwitz, vemos um alarmante crescimento do extremismo de direita na Europa", afirmou o primeiro-ministro sueco, Goeran Persson. "Não existe espaço para hesitação. O momento é de ação e cooperação".Persson falou após a abertura de uma conferência internacional que mostrou um curta-metragem detalhando o crescimento do movimento neonazista na Suécia, apresentando imagens de jovens marchando, usando máscaras pretas e agitando suásticas. O primeiro-ministro enfatizou que sentimentos antiimigrantes e outras formas de intolerância estão ganhando espaço em todo o continente, enquanto grupos racistas e partidos políticos populistas usam o desemprego e a pobreza para espalhar o medo de estrangeiros."Viver na pobreza, sentindo-se impotente e excluído faz com que as pessoas procurem bodes expiatórios", disse ele. "Temos de nos preparar para enfrentar o desespero, porque se não o fizermos, outras forças o farão". Organizadores do fórum, que terá duração de dois dias, esperam estudar hostilidades para com minorias étnicas e religiosas, imigrante e homossexuais e desenvolver propostas sobre como combater o ódio, concentrando-se na educação, legislação, iniciativas de comunidades locais e a mídia.Oradores também destacaram a necessidade de se tratar das forças econômicas, assim como a globalização que torna mais fácil a disseminação de ideologias extremistas.A comissária dos Direitos Humanos da ONU, Mary Robinson, advertiu que o declínio do índice de nascimento e o aumento de idosos na Europa significarão que o continente precisa de mais pessoas e que não existe espaço para a xenofobia. "A Europa não tem opção senão abraçar a diversidade", afirmou ela a mais de 400 participantes de cerca de 50 países.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.