Suécia tenta aproximação com líderes palestino e israelense

O ministro das Relações Exteriores da Suécia anunciou nesta quarta-feira, 21, que viajará ao Oriente Médio no próximo fim de semana para uma visita aos líderes palestinos e israelenses.A visita de Carl Bildt é a primeira de um ministério de um dos países-membros da União Européia desde o anúncio oficial da formação do novo governo palestino de união, aprovado no último sábado, 17. Bildt afirmou que pretende se encontrar com o presidente palestino, Mahmoud Abbas, no próximo sábado."Pretendemos avaliar e estudar relações com o novo governo (palestino), e este é o motivo pelo qual viajarei para lá", disse Bildt a repórteres. Ele afirmou que nenhum encontro está marcado com representantes do Hamas, grupo considerado extremista pela UE, pelos Estados Unidos e por Israel.O ministro de Relações Exteriores da Noruega, país vizinho da Suécia, Raymond Johansen, se encontrou com o primeiro-ministro Ismail Haniyeh, do Hamas, na última segunda, 19. Mesmo boicotado por Israel pelo diálogo com o Hamas, Johansen foi o primeiro oficial europeu a visitar líderes o movimento islâmico.Além disso, a Noruega é o primeiro país a suspender as sanções contra o governo palestino.Outros países europeus - incluindo França e Bélgica - planejam dialogar com os chefes palestinos. Rússia e França defendem a suspensão das sanções.Já os EUA, um dos ferrenhos críticos do Hamas, manteve seu primeiro contato com o novo governo de unidade na terça, quando o cônsul americano em Jerusalém Jacob Walles se encontrou com o ministro das Finanças Salam Fayyad.O Hamas é duramente criticado por não aceitar as exigências internacionais do mediadores do Oriente Médio - Rússia, EUA, UE e as Nações Unidas. As obrigações dão conta de que o governo palestino reconheça o Estado de Israel, aceite os acordo de paz e renuncie à violência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.