Sueco detido em Guantánamo é libertado pelos EUA

Um cidadão sueco detido durante mais de dois anos pelos Estados Unidos na base naval de Guantánamo, Cuba, chegou à Suécia hoje, depois de ter sido entregue ao governo do país nórdico pelo Pentágono. O Ministério das Relações Exteriores da Suécia informou que Medhi-Muhammed Ghezali desembarcou por volta das 18h locais no aeroporto de Skavsta, em Nykoeping, a bordo de um avião particular fretado pelo governo sueco. Não se sabe se Ghezali retornará à casa de seus pais em Orebro ou se será levado a Estocolmo para ser interrogado pelas autoridades de seu país. Em conversa por telefone, um oficial do Pentágono disse que Ghezali foi libertado pelos EUA na manhã de ontem e não estava mais em Guantánamo, onde quase 600 estrangeiros são mantidos na prisão sob suspeita de pertencerem à rede extremista Al-Qaeda ou à milícia fundamentalista islâmica Taleban. A chanceler sueca Laila Freivalds disse à Associated Press que não existe a perspectiva de que Ghezali venha a ser indiciado pela polícia sueca, mas não revelou se ele seria monitorado depois de retornar ao país. "Isso fica a cargo da polícia de segurança. A meu ver, ele é um homem livre. Além disso, não notei nenhum indício de que algum departamento do governo tenha a intenção de prendê-lo", comentou a ministra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.