Suíça acusa Menem de acobertar terroristas

O porta-voz do Departamento Federal de Justiça da Suíça, Folco Galli, afirmou que o ex-presidente da Argentina Carlos Menem está sendo investigado pela acusação de ter acobertado o suposto envolvimento do Irã no atentado à bomba contra uma entidade judaica em Buenos Aires, que matou 86 pessoas em 1994. Segundo Galli, as autoridades argentinas pediram a colaboração do governo da Suíça nas investigações em dezembro do ano passado. "Existe a suspeita de que as autoridades iranianas transferiram US$ 10 milhões para Menem, através de uma conta bancária em Genebra, em troca de Menem dizer que não havia evidências de que o Irã havia sido responsável pelo atentado", afirmou o porta-voz. Nesta segunda-feira, um procurador público de Genebra revelou que há duas contas bancárias ligadas a Menem, no valor total de US$ 10 milhões, que estão bloqueadas desde outubro do ano passado a pedido das autoridades argentinas. Em setembro de 2001 começou na Argentina o julgamento de 15 ex-policiais e outras cinco pessoas, acusados de fornecer a perua usada pelos terroristas no atentado contra a sede da Amia (Associação de Ajuda Mútua Israel-Argentina). A expectativa é de que o julgamento seja concluído em julho próximo.

Agencia Estado,

22 Janeiro 2002 | 17h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.