Suíça adotará a "e-democracia" pela Internet

O governo suíço anunciou que irá promover, no primeiro semestre de 2002, a primeira eleição pela Internet no mundo. O objetivo da "e-democracia", como está sendo chamado o projeto, é aumentar a participação da população nas eleições gerais, que nos últimos anos tem sofrido uma queda significativa. "As novas tecnologias devem ser usadas para reforçar as possibilidades de participação direta dos cidadãos", afirma Robert Hensier, conselheiro do Cantão de Genebra.No ano passado, os eleitores que votaram em plebiscitos, referendos e eleições representaram, em média, apenas 43% da população do país. As autoridades suíças informaram que o uso da rede mundial de computadores incluirá todos os procedimentos eleitorais do país. Controle popular - Em poucos países do mundo a população tem controle sobre o governo como na Suíça. Plebiscitos são realizados toda vez que a Constituição é emendada ou quando o país debate a entrada em uma organização internacional. Há cerca de dois meses, os suíços foram às urnas e rejeitaram o início das negociações para a adesão da Suíça à União Européia. Além disso, a população pode rever qualquer decisão do Poder Legislativo por referendo. Mas a introdução da "e-democracia" só está sendo possível graças ao amplo uso da Internet no país. Segundo dados da Secretaria de Economia suíça, 57% dos habitantes dispõem de computadores em casa e pelo menos 44% navegam pela Internet quase todos os dias.Leia Mais

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.