Suíça devolve US$ 77,5 mi desviados do governo do Peru

O governo suíço devolveu ao Peru US$ 77,5 milhões que estavam nas contas do ex-chefe do serviço secreto peruano Wladimiro Montesinos e do general Nicolas Bari Hermoza Rios, que foram identificadas em bancos em Zurique. O general e o ex-chefe do serviço secreto eram duas das principais personalidades do governo de Alberto Fujimori e que agora estão presos por corrupção. Segundo o Departamento de Justiça da Suíça, o dinheiro foi devolvido ao Peru ontem por meio de um depósito na agência do Citibank dos Estados Unidos. Dos mais de US$ 77 milhões, US$ 49,5 milhões estavam nas contas de Montesinos. A Suíça, em um documento oficial, releva que o dinheiro teve origem em esquemas de corrupção. Montesinos teria recebido 32 comissões no comércio de armas desde 1990. A propina, então, teria sido transferida para contas na Suíça, nos Estados Unidos e em Luxemburgo. Os investigadores de Zurique ainda afirmam que mais de US$ 10 milhões encontrados nas contas do ex-chefe do serviço secreto peruano eram resultado da compra de três jatos MIG 29. Os aviões foram vendidos às Forças Aéreas peruanas pela estatal russa Rosvoorouzhenie. Como recompensa pelo pagamento, Montesinos garantia que determinados comerciantes de armas da Rússia tivessem tratamento privilegiado por parte do governo de Lima. Contas Bloqueadas Além do dinheiro devolvido, o governo suíço anunciou que outros US$ 33 milhões que pertencem à Montesinos estão bloqueados nos bancos do país. Para que o Peru consiga recuperar o dinheiro, terá que ajudar a Justiça da Suíça a provar que os recursos foram gerados em esquemas de corrupção. No Peru, Montesinos já está condenado a 9 anos de prisão e outros 65 processos estão ainda sendo analisados contra o braço direito de Fujimori.

Agencia Estado,

20 Agosto 2002 | 11h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.