Suíça proíbe uso de espaço aéreo por aviões militares

A Suíça proibiu a utilização de seu espaço aéreo por aviões militares norte-americanos e dos demais países que participam da ofensiva militar contra o Iraque, durante o período em que se estender o conflito. O presidente Pascal Couchepin disse no Parlamento que lamentava o início dos ataques. Além disso, as autoridades suíças informaram suspensão das exportações militares a todos os países que tomam parte na guerra contra o Iraque. Os sete membros do gabinete decidiram aplicar as regras de neutralidade suíça, porque o ataque militar não tem apoio do Conselho de Segurança das Nações Unidas, o que torna a guerra "um conflito entre Nações", diz comunicado do Secretariado de Estado para Assuntos Econômicos. O embargo às exportações de armas e outros equipamentos aplica-se as exportações conduzidas pelo governo. Os fabricantes da iniciativa privada poderão manter suas exportações. No entanto, serão requisitados para que provem as autoridades que as armas e os produtos relacionados não deverão ser utilizados no conflito. O Secretariado informou também que ampliará os controles para assegurar que as empresas respeitem essa requisição. No ano passado, as exportações militares da Suíça atingiram 277 milhões de francos suíços (cerca de US$ 200 milhões). Os principais clientes da Suíça são a Alemanha e a Áustria, seguidas pelos EUA, Irlanda e Grã-Bretanha.Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.