Suíça rejeita referendo sobre ouro e imigração

Os eleitores suíços rejeitaram de maneira esmagadora a proposta sobre o aumento das reservas de ouro do país, em um referendo realizado neste domingo no país. Caso aprovada, a iniciativa forçaria o Banco Central da Suíça a mais do que dobrar a quantidade de ouro que detém atualmente. Os eleitores também não aprovaram planos para limitar a imigração e acabar com os privilégios fiscais especiais para estrangeiros ricos na Suíça.

Estadão Conteúdo

30 de novembro de 2014 | 16h21

Citando projeções de resultados em 19 dos 26 cantons (Estados) do país, a televisão suíça disse que cerca de 78% dos eleitores se opuseram à iniciativa, batizada de "Salve nosso Ouro Suíço." Segundo a proposta, o BC deveria manter 20% de suas reservas em ouro em até cinco anos, ante os atuais 8%. Isso significaria a compra de cerca de 1,5 mil toneladas métricas de ouro no valor de mais de US$ 60 bilhões.

A iniciativa tinha sido criticada pelas comunidades políticas e empresariais da Suíça devido ao seu potencial de interromper a política monetária do Banco Central. Nos últimos três anos, o banco tem limitado a taxa de câmbio em 1,2 franco suíço por euro através da compra de grandes quantidades de moeda comum, uma política destinada a proteger as exportações do país alpino.

Críticos da iniciativa temiam que o compromisso do Banco Nacional da Suíça (SNB em inglês) de limitar a taxa de câmbio poderia ser ameaçado porque a autoridade monetária seria forçada a comprar ouro cada vez que realizasse intervenções no mercado de câmbio. Ambos os mercados de câmbio e ouro estrangeiros tinham acompanhando de perto a iniciativa, com o ouro caindo bruscamente quando uma pesquisa mostrou que o apoio dos eleitores à medida enfraqueceu.

"É uma resposta muito positiva da população suíça", afirmou Monika Ruehl, diretora do lobby empresarial Economiesuisse, à emissora nacional da Suíça SRF. Ela disse que a rejeição da medida garantirá que o banco central possa continuar com as políticas que beneficiaram os exportadores do país.

O Gabinete da Suíça e ambas as casas do Parlamento recomendaram que os eleitores rejeitassem a iniciativa. Luzi Stamm, um dos iniciadores da medida, disse à emissora que estava desapontado com os resultados, mas não estava planejando uma outra tentativa de limitar as opções do SNB pela gestão do ouro. Stamm, um membro da Partido Popular Suíço de direita, havia dito anteriormente que a medida era necessária, porque a política monetária do SNB tinha ligou a Suíça ao euro enfraquecido.

O SNB disse hoje que estava "satisfeito" com o resultado da votação, e repetiu que seu limite para a taxa de câmbio franco suíço-euro continua a ser seu instrumento de política fundamental. A autoridade monetária detém 1.040 toneladas métricas de ouro, o que representa cerca de 7,5% de seus ativos.

A iniciativa tem sido monitorada de perto pelos mercados financeiros. Os preços dos ouro recuaram 1,6% no início do mês passado, quando uma pesquisa de opinião mostrou que o apoio à iniciativa recuou abaixo de 40%. O franco suíço também recuou com a notícias que sugeriram que o BC poderia manter o limite da taxa de câmbio.

As duas outras iniciativas também pareciam destinados ao fracasso. Cerca de 74% dos eleitores se opôs a uma proposta para limitar a imigração suíça em 0,2% da população, um movimento que teria contrariado países vizinhos. Enquanto isso, 60% votaram contra a revogação das medidas fiscais de montante fixo para estrangeiros ricos, uma política que tornou a Suíça um refúgio para algumas das pessoas mais ricas do mundo.

Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
SuíçaReferendo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.