Suicida mata 15 soldados paquistaneses em refeitório militar

Outros duas baixas militares ocorreram em operação que resultou na morte de 30 militantes islâmicos

Associated Press,

13 de setembro de 2007 | 14h29

Um militante suicida atacou nesta quinta-feira, 13, um refeitório militar em um quartel no noroeste do Paquistão e provocou a morte de pelo menos 15 soldados, informaram autoridades locais. Outras 8 baixas foram registradas, duas delas militares, enquanto o Exército afirma ter matado mais de 30 islâmicos em confrontos.   Uma importante autoridade governamental disse que a contagem de mortos no quartal pode aumentar, já que muitos soldados ficaram feridos - ao menos 11 outros militares.   O ataque aconteceu no refeitório do quartel de Ghazi Tarbela, uma instalação militar situada cerca de cem quilômetros ao sul de Islamabad, informaram duas fontes nos serviços de segurança do país.   O general Waheed Arshad, porta-voz do Exército paquistanês, confirmou a explosão, mas disse não dispor de mais detalhes para comentar.   A explosão aconteceu em um prédio usado pela elite do Exército paquistanês, o Special Services Group (SSG). O presidente do país, Pervez Musharraf, também serviu no SSG.   Arshad disse que estão averiguando se foi uma explosão derivada de um cilindro de gás ou por uma bomba.   Seis outros paquistaneses morreram e mais seis ficaram feridos nesta quinta, em Karachi, sul do país, em um ataque a um microônibus.   Quatro dos falecidos eram membros do Partido Islâmico dos Estudantes (IJT), principal movimento islâmico do país.   Os ataques ocorreram após o exército afirmar ter matado mais de 30 militantes em combates no noroeste do país, perto da fronteira com o Afeganistão. Nessas ações, dois militares morreram.   Mais cedo nesse mês, 25 pessoas, a maioria membros da inteligência e do Exército, foram mortos em dois ataques suicidas no Paquistão. Autoridades afirmam que evidencias ligam o ataque a militantes da Al-Qaeda.Texto ampliado às 16h41.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoAtaque suicida

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.