Suicidas não podem ser considerados mártires, diz Bush

O presidente dos EUA, George W. Bush, pediu às nações árabes alinhadas aos EUA para se esforçarem mais no combate ao terrorismo e ajudarem no processo de paz no Oriente Médio. Bush observou que o Egito, a Arábia Saudita e a Jordânia devem parar de estimular o ódio entre seus povos e financiar grupos terroristas da região. Oficiais do governo da Arábia Saudita elogiaram, na semana passada, os terroristas suicidas e levantaram, por meio de um programa de televisão, mais de US$ 100 milhões para as famílias dos "mártires palestinos". O presidente ainda reiterou seu pedido para que os israelenses e palestinos tomem atitudes. "Todos os lados têm responsabilidade de parar de incitar o terror e devem dizer que um assassino não é um mártir. Ele ou ela é apenas ou assassino" acrescentou Bush. Bush também disse que o mundo precisa combater os regimes que cultivam laços com grupos terroristas, que oprimem seus povos e desenvolvem armas de destruição em massa. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.