Sujeira na chaminé causou incêndio de supermercado

Autoridades determinaram que o acúmulo de gordura em uma chaminé da praça de alimentação foi a causa do incêndio no supermercado paraguaio Ycuá Bolaños. O procurador Edgar Sánchez disse que o acúmulo de gordura em uma chaminé da área de grelhas da praça de alimentação foi a causa do fogo que arrasou o prédio e deixou centenas de mortos. De acordo com Sánchez, a falta de manutenção permitiu a combustão das gorduras e do carvão acumulados, originando o fogo que se espalhou rapidamente.Por sua vez, o prefeito da capital do Paraguai, Enrique Riera, afirmou que o hipermercado não tinha autorização para funcionar, pois nunca havia passado por uma inspeção de segurança. Riera diz que o centro comercial "não estava habilitado; ele foi construído em 2000, quando o prefeito era Martín Burt, e precisamente em novembro de 2001 foi inaugurado para atender o público". Burt é um dos oposicionistas da atual administração municipal de Assunção. O prefeito tem recebido muita pressão por parte da sociedade paraguaia, mas afirmou que não irá renunciar e se isentou de culpa no caso, afirmando que o edifício incendiado foi entregue à população na gestão anterior."Eu cheguei ao cargo municipal em dezembro de 2001 e, revisando os documentos, encontrei que o edifício não foi autorizado a operar, pois ainda não havia sido submetido às inspeções finais", afirmou o prefeito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.