Sul-africana será comissária de direitos da ONU, dizem fontes

O secretário-geral da ONU, BanKi-Moon, pretende substituir a polêmica Louise Arbour pelajuíza sul-africana Navanethem Pillay no cargo dealto-comissária de Direitos Humanos, disseram diplomatas naquinta-feira. Pillay, atualmente juíza do Tribunal Penal Internacional,em Haia, atuou como advogada em favor dos direitos de NelsonMandela e de outros ativistas que foram vítimas do regime doapartheid na África do Sul. Vários diplomatas disseram à Reuters, sob anonimato, queBan Ki-Moon deve anunciar a substituição já a partir desexta-feira. A canadense Arbour disse em março que não queria um segundomandato de quatro anos como alto-comissária. O mandato delaterminou em 30 de junho. Filha de um motorista de ônibus, Pillay nasceu em 1941 ecresceu num bairro pobre da comunidade indiana em Durban. Suapele escura, típica da etnia tâmil, rendeu a ela muitadiscriminação na época do apartheid. Os outros dois candidatos da lista tríplice para o cargoeram Hina Jilani, do Paquistão, representante especial da ONUpara os defensores dos direitos humanos, e o argentino JuanMéndez, representante especial para questões de genocídio. A indicação de Pillay ainda precisa ser aprovada pelaAssembléia-Geral da ONU.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.