Sul-africano é assassinado por querer assistir à Copa

Um sul-africano que queria assistir a uma partida da Copa do Mundo de futebol em vez de um programa religioso foi espancado até a morte por sua família no nordeste do país. David Makoeya, morador de 61 anos da pequena vila de Makweya, na província de Limpopo, brigou com sua mulher e os dois filhos pelo controle remoto no domingo, porque queria assistir ao jogo entre Alemanha e Austrália. Os demais, porém, queriam ver um programa gospel.

AE-AP, Agência Estado

17 de junho de 2010 | 16h42

"Ele disse, ''não, eu quero assistir futebol''", disse hoje o porta-voz da polícia Mothemane Malefo. "Foi assim que a briga começou", informou. Malefo disse que Makoeya levantou-se para trocar o canal manualmente depois que não conseguiu pegar o controle remoto e foi atacado por sua mulher, Francina, pelo filho Collin e a filha Lebogang.

Malefo disse que não tem certeza sobre o que a família usou para matar a vítima. "Parece que bateram sua cabeça contra a parede", disse o policial. "Eles ligaram para a polícia somente depois que ele estava bastante ferido, mas quando a polícia chegou o homem já estava morto", complementou.

Os três foram detidos na noite de domingo, mas a filha foi solta na terça-feira após o pagamento de uma fiança de 1.500 rands (US$ 200). A mãe e o filho comparecerão ao tribunal de magistrados local apenas no dia 27 de julho. "Ele foi sempre um homem feliz, nunca foi violento", disseram as sobrinhas de Makoeya, Miriam e Anna, ao jornal "Daily Sun".

A Copa do Mundo, que é disputada pela primeira vez no continente africano, começou na sexta-feira e vai até 11 de julho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.