Sul-africanos comparam Sharon a Hitler

Cerca de 15.000 muçulmanos protestaram hoje contra Israel na Cidade do Cabo, exigindo que a África do Sul rompa suas relações com o Estado judeu e comparando o primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, a Adolf Hitler. Acompanhados de perto pela tropa de choque da polícia, os manifestantes marcharam por ruas do centro da Cidade do Cabo em protesto contra a política de violência de Israel para com os palestinos, num momento em que a intifada entra em seu 11º mês.Entre os vários cartazes carregados pelos manifestantes, liam-se frases como "Sharon é Hitler, o Assassino", "Sharon é assassino" e "Sionismo é racismo". Segundo os organizadores, o protesto foi também uma demonstração de força contra a exigência dos Estados Unidos e de Israel para que uma resolução que iguala o sionismo ao racismo não seja incluída na pauta de discussões de uma conferência da ONU sobre o racismo, que será realizada na cidade sul-africana de Durban nas próximas semanas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.