Sul-coreano eleito pede fim do programa nuclear norte-coreano

Lee Myung-bak faz apelo para vizinhos para que intensifiquem esforços pelo desmantelamento nuclear do país

Efe,

21 de dezembro de 2007 | 15h07

O presidente eleito sul-coreano, Lee Myung-bak, pediu nesta sexta-feira, 21, que os países da região reúnam esforços para favorecer o desmantelamento nuclear da Coréia do Norte e intensificar a cooperação econômica, informou a agência Yonhap.   Lee Myung-bak, proclamado há dois dias como presidente eleito da Coréia do Sul, entrou em contato com Japão, China e Estados Unidos para informar sobre os principais pilares da nova política internacional de Seul.   Os primeiros movimentos de Lee Myung-bak no âmbito internacional foram considerados pelos analistas locais como as primeiras gestões da "diplomacia pragmática" anunciada pelo novo presidente. Entre as metas desta política, estão a melhora das relações bilaterais com Washington e a potencialização dos laços econômicos e energéticos com Pequim e Moscou.   Assim, Lee Myung-bak manteve uma conversa por telefone com o primeiro-ministro japonês, Yasuo Fukuda, e avaliou os esforços de Tóquio no processo de desmantelamento nuclear norte-coreano com sua participação no diálogo nuclear multilateral.   Na conversa, o político sul-coreano manifestou também sua intenção de colocar todo o empenho para que Pyongyang abandone seu programa nuclear, e ressaltou a importância de melhorar a coordenação neste âmbito entre Seul, Tóquio e Washington.   Em outro encontro que manteve nesta sexta com o embaixador da China em Seul, Ning Fukui, o presidente eleito estimou que o governo chinês  sustente a mesma postura de Seul na necessidade de que siga adiante o processo de desnuclearização da península coreana.   A China, tradicional aliada de Pyongyang, é o país anfitrião da reunião multilateral que busca uma solução pacífica para o programa nuclear, com a participação também das duas Coréias, EUA, Japão e Rússia.

Tudo o que sabemos sobre:
Coréia do SulCoréia do Norte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.