Kang Kyung-kook / Newsis / AP
Kang Kyung-kook / Newsis / AP

Sul-coreano Kim Jong-yang supera russo e é eleito presidente da Interpol

Candidatura de Alexander Prokopchuk havia desagradado os críticos de Moscou, que temiam que a organização se transformasse em um instrumento de influência do Kremlin

O Estado de S.Paulo

21 Novembro 2018 | 07h07

DUBAI - O sul-coreano Kim Jong-yang foi eleito nesta quarta-feira, 21, presidente da Interpol para um mandato de dois anos, ao superar o candidato russo Alexander Prokopchuk, anunciou no Twitter a maior organização policial do mundo.

Kim Jong-yang já era presidente temporário da Interpol desde a súbita "demissão" de seu antecessor, Meng Hongwei, acusado de corrupção na China.

Os delegados da Interpol, reunidos desde domingo em Dubai, escolheram na assembleia geral o sul-coreano, que contava com o apoio dos Estados Unidos. Na semana passada, o jornal britânico The Times informou, com base em fontes britânicas, que Prokopchuk era o favorito.

Apesar do posto de presidente da Interpol ser considerado um cargo essencialmente honorário, a candidatura do general russo de 56 anos havia desagradado os críticos de Moscou, que temiam que a organização se transformasse em um instrumento de influência do Kremlin.

"Estimulamos todas as nações e organizações que integram a Interpol e respeitam o estado de direito a escolher um chefe íntegro. Pensamos que será o caso do senhor Kim", disse na terça-feira o secretário de Estado americano, Mike Pompeo.

Quatro senadores americanos pediram em uma carta aberta aos 192 membros da Interpol que rejeitassem a candidatura de Prokopchuk. "Os acontecimentos recentes demonstraram que o governo russo abusava dos processos da Interpol para perseguir os opositores políticos", escreveu no Twitter o porta-voz do Conselho Nacional de Segurança americano, Garrett Marquis. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.