Sul-coreano morre ao protestar contra vazamento de petróleo

Ji Chang-whan ateou fogo em seu próprio corpo pela falta de indenizações para os atingidos pelo acidente

Efe,

19 de janeiro de 2008 | 13h39

Um sul-coreano morreu neste sábado, 19, ao atear fogo em seu próprio corpo em protesto pela falta de indenizações para os atingidos pelo grande vazamento de petróleo em dezembro, informou a agência local Yonhap. Ji Chang-whan, de 56 anos, morreu nesta madrugada no centro hospitalar Soon Chung Hyunag, na cidade de Cheonan (oeste do país), após permanecer por várias horas em coma. O incidente aconteceu durante a manifestação de sexta, 18, de cerca de 5.000 pescadores e comerciantes em Taean, uma das localidades mais atingidas pelo vazamento de 12.000 toneladas de petróleo na costa ocidental da Coréia do Sul. Ji subiu ao palco, jogou gasolina em seu corpo e ateou fogo com um isqueiro. Os moradores da região pediam que as companhias envolvidas nesta catástrofe ecológica assumam sua responsabilidade e compensem de forma ilimitada todos os atingidos. O acidente que provocou o maior desastre meio ambiental da Coréia do Sul aconteceu no dia 7 de dezembro, quando o guindaste de um cargueiro sul-coreano de 11.800 toneladas provocou três buracos no casco do petroleiro de Hong Kong Hebei Spirit, de 146.000 toneladas, perfurando três de seus cinco depósitos.

Tudo o que sabemos sobre:
Coréia do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.