Sul-coreano seqüestrado está vivo, diz agência coreana

Os seqüestradores do sul-coreano Kim Sun-il, supostamente ligados a Al-Qaeda, adiaram sua execução, que deveria ter ocorrido ontem à tarde (pelo horário de Brasília), conforme ultimato dado ao governo da Coréia do Sul. A informação é de uma rede árabe de televisão, que não citou fontes. Kim foi sequestrado no Iraque no dia 17 e ameaçado de morte se o governo sul-coreano não desistir de enviar mais tropas ao país. Ele prestava serviço de tradutor do inglês e do árabe para a empresa sul-coreana Gana Trading, que fornece suprimentos ao exército dos EUA. A agência de notícias da Coréia do Sul Yonhap também informou que Kim está vivo, citando informação do chefe da segurança da empresa sul-coreana NKTS, parceira da Gana Tradind. O governo sul-coreano manteve sua decisão de enviar mais tropas. O Ministério da Indústria, Energia e Comércio disse que todos os sul-coreanos que prestam serviços no Iraque, cerca de 22, devem deixar o país até o começo do próximo mês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.