Sul-coreanos detidos no Afeganistão estão vivos, diz Taleban

Grupo diz que não fixará prazos enquanto mantiver negociações sobre a libertação dos missionários

YOUSUF AZIMY, REUTERS

27 Julho 2007 | 12h52

Os 22 sul-coreanos mantidos reféns no Afeganistão continuam vivos, afirmou um porta-voz do Taleban nesta sexta-feira, 27, acrescentando que o grupo não fixará novos prazos enquanto continuar negociando com o governo afegão a respeito da libertação deles. Uma autoridade do governo também disse que os reféns, todos voluntários cristãos cujo líder foi morto dois dias atrás pelos seqüestradores do Taleban, estavam vivos. Segundo essa autoridade, uma delegação do governo negociava com os militantes. "Eles estão vivos e estão bem", disse a repórteres, em Ghazni, Munir Mangal, vice-ministro do Interior que comanda a equipe envolvida nos esforços para garantir a libertação dos reféns. Remédios foram envidados para alguns dos sul-coreanos que estão doentes, acrescentou. Qari Mohammad Yousef, porta-voz do Taliban, afirmou que o governo havia assegurado ao grupo que soltaria oito de seus membros como parte de um acordo para libertar um número equivalente de reféns. "Eles estão vivos. As negociações estão em andamento e não vamos impor novos prazos porque o governo garantiu que deseja resolver a questão por meio de negociações", afirmou o porta-voz à Reuters, em um telefonema. Na quarta-feira, o Taleban matou, com dez tiros na cabeça, o líder dos voluntários capturados na semana passada na principal estrada de Ghazni, localizada a sudoeste de Cabul (capital). Mas vários dos prazos dados pelos sequestradores esgotaram-se sem que as ameaças de matar outros reféns fossem cumpridas.

Mais conteúdo sobre:
Afeganistão Taleban sul-coreanos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.