Sunita, presidente do Iraque defende eleição em janeiro

O presidente do Iraque, Ghazi al-Yawar, disse que as eleições devem ocorrer no próximo mês como planejado, distanciando-se de outros importantes líderes sunitas que pedem o adiamento da votação, por causa da insegurança no país. Al-Yawar é o primeiro sunita de relevância a rejeitar as pressões por um adiamento. "Devemos ir adiante com as eleições, por um princípio moral e legal", desse Al-Yawar. Nas eleições será escolhida uma Assembléia provisória que designará um novo gabinete e supervisionará o projeto de uma Constituição permanente. Os dois principais partidos curdos anunciaram um acordo para participação conjunta nas eleições. A TV Al-Hurriya divulgou declarações do chefe do Partido Democrático do Curdistão, Masud Barazani, segundo quem seu partido e a União Patriótica do Curdistão decidiram apresentar listas conjuntas para as eleições de 30 de janeiro e também para as eleições do Parlamento curdo, para "assegurar os direitos do povo curdo no Iraque".Enquanto isso, soldados americanos tentando encorajar a participação nas eleições foram atacados na cidade de Mossul. No tiroteio de meia hora que se seguiu, um soldado dos EUA ficou ferido. Rebeldes também atacaram tropas americanas em Bagdá e em Beiji, uma cidade ao norte da capital, matando 4 civis iraquianos e ferindo pelo menos outras 20 pessoas, entre elas 3 soldados dos EUA. Além disso, três crianças iraquianas foram mortas na explosão de dois morteiros em Baquba.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.