Sunitas acusam tropas do EUA de conspiração

A Comissão de Ulemás Muçulmanos (CUM), máxima autoridade sunita do Iraque, acusou nesta quarta-feira as tropas dos Estados Unidos de "conspirar" para provocar um conflito sectário entre iraquianos sunitas e xiitas, estes últimos maioria no país.Em entrevista coletiva, o porta-voz da CUM, Abdel Salam Al-Qubaisi, também culpou as forças Al-Maghauir, um corpo de elite do ministério do interior, controlado pelos xiitas, de estar por trás da onda de assassinatos e ataques sectários que causaram mais de 350 mortes na última semana, segundo fontes do governo.Conforme anunciou ontem o governo iraquiano, pelo menos 379 pessoas morreram e 458 ficaram feridas por causa da onda de violência sectária iniciada no país no último dia 22 depois do ataque contra um santuário xiita em Samarra, ao norte de Bagdá.Al-Qubaisi pediu aos seguidores desse ramo do Islã que eles mesmos protejam suas mesquitas depois que dezenas delas foram atacadas nos últimos dias.Além disso, afirmou que os Maghauir atacaram a casa do líder da CUM, xeque Harith al-Dhari, no bairro Al-Mansur, em Bagdá, na semana passada, e feriram várias pessoas, entre elas o irmão de Al-Dhari.Além disso, o porta-voz assegurou que "helicópteros americanos transferiram soldados dos EUA ao bairro de Al-Azamiya (no norte da capital) há uma semana, para que ajudassem a forças do ministério do interior que estavam atacando uma mesquita sunita"."Esta conspiração não tem como alvo só o Iraque, já que eles (os americanos) também querem transformar o Irã em uma base para lançar uma campanha destinada a controlar os países árabes e islâmicos".Al-Qubaisi condenou o que qualificou de "silêncio" dos países árabes e islâmicos em relação à "campanha contra os sunitas", e considerou que "o que acontece no Iraque faz parte de um complô que afetará todos" os estados da região.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.