'Superbombardeiros' russos aceleram ação contra o EI na Síria

Grandes como os jatos de passageiros, velozes como caças e letais como devem ser na tarefa à qual são destinados, bombardeiros pesados russos como o Tu-160M, entraram oficialmente na campanha da Síria há dois dias. O resultado foi devastador.

Roberto Godoy, O Estado de S.Paulo

20 de novembro de 2015 | 02h01

As aeronaves, desenvolvidas na fase final da Guerra Fria, lançaram 34 mísseis de cruzeiro contra posições do Estado Islâmico em Raqqa e outra classe de armamento sobre as instalações de uma refinaria e um depósito de petróleo na província de Deir al-Zor. A frota de ataque é integrada por outras

versões supersônicas, como o próprio Tu-160 e o Tu-22M3, mais o subsônico Tu-95M, aos quais coube destruir alvos em Idlib e Alepo.

São máquinas de guerra muito especiais. Apresentados na extinta União Soviética entre os anos de 1952 e 1987, passaram recentemente por amplo processo de modernização.

A carga de ataque varia de 15 toneladas até 30 toneladas de bombas guiadas, mísseis, torpedos e vastos recursos eletrônicos - muitos deles destinados à coleta de dados de inteligência.

Os bombardeiros decolam de suas bases em território russo, viajam cerca de 6.600 km por até 10 horas. Uma viagem de ida e volta. O Ministério da Defesa, em Moscou, estima em cerca de 130 o número de ações no primeiro dia da intervenção das 35 aeronaves envolvidas na missão. "Núcleos ocupados por terroristas foram eliminados em 12 áreas habitadas", afirmou o comando russo. Na noite de ontem, a operação continuava.

Tudo o que sabemos sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.