Supercão policial se aposenta nos EUA

O cartel de drogas mais ativo do México chegou a colocar sua cabeça a prêmio. Através dos anos, seu faro apurado frustrou contrabandistas ao farejar nada menos do que 33 toneladas de drogas, avaliadas em US$ 306 milhões. Nesta semana, o oficial Krowbar, um cão com quase 10 anos de idade (o equivalente a 70 anos para os seres humanos), vai se aposentar. O cão policial é classificado pelos agentes como o melhor farejador de drogas que já passou pela movimentada fronteira México-Estados Unidos."Nunca vi um animal como este em toda a minha vida", disse James Henderson, que chefia a unidade K-9 da Polícia de Fronteira no sudeste da Califórnia e que trabalha com cães desde 1961. "Ele é uma lenda viva."Dois anos atrás, os investigadores souberam, através de informantes, que o poderoso cartel de Tijuana, comandado por Arellano-Felix, estava oferecendo US$ 50 mil pela cabeça de Krowbar. Mas o cão nunca parou de trabalhar.Krowbar agora recebeu um merecido descanso na casa de seu instrutor, o oficial Steve Ralston. Uma cerimônia na terça-feira marcou o fim da era Krowbar. "Toda vez que eu saí com este cão nesta linha (de fronteira), ele caçou como se não tivesse amanhã", disse Ralston, emocionado. "O que chamamos de trabalho, era um jogo para ele."O Belga Malinês, de 38 kg, que lembra muito um pastor alemão, parecia confuso com a atenção dispensada a ele no porto de entrada de San Ysidro, que liga o México a San Diego. Krowbar mostrou-se pouco afeito a homenagens e chegou a bocejar várias vezes durante os discursos. As orelhas só ficaram em pé quando ele recebeu uma calorosa salva de palmas da platéia, impressionada com o bom trabalho do cão: em sete anos, os policiais apreenderam com a ajuda de Krowbar 29.250 kg de maconha, 315 kg de cocaína e 15 kg de heroína.O instrutor Steve Ralston já tem o substituto para o oficial Krowbar: é Brownie, um Rottweiler de quatro anos. "Ele (Krowbar) é um entre um milhão de cães", definiu Henderson.O que diferencia Krowbar dos outros 50 cães que trabalham na região fronteiriça é a maneira como ele atua. O supercão nunca associou o cheiro da droga com um brinquedo para descobrir os entorpecentes. Tinha um método próprio. "Isso faz dele (Krowbar) um cão entre um milhão", definiu o agente Henderson.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.