Superdelegado troca Hillary por Obama

Joe Andrew pede a outros dirigentes do Partido Democrata que respaldem o senador para acabar com divisão

Ap, Reuters e Los Angeles Times, O Estadao de S.Paulo

02 de maio de 2008 | 00h00

Barack Obama conquistou um importante apoio ontem, quando o superdelegado de Indiana Joe Andrew, ex-presidente do Comitê Nacional Democrata durante três anos do governo de Bill Clinton (1993-2001), anunciou apoio ao senador democrata em sua disputa com Hillary Clinton pela candidatura do partido à eleição presidencial de novembro nos EUA.A decisão foi um duro golpe para a senadora Hillary, cuja candidatura Andrew havia apoiado no ano passado, citando "sua força e experiência para competir em todo o país". Andrew disse que mudou de posição por discordar do plano de Hillary de suspender a cobrança de um imposto federal sobre a gasolina durante o verão (de junho a setembro, no Hemisfério Norte). Para Obama, a idéia era uma "peça de propaganda" que só prejudicaria a política energética de longo prazo.Em uma carta a membros da cúpula partidária, Andrew conclamou outros democratas a apoiar Obama para "curar a divisão do partido". Ele afirmou estar decepcionado com o sistema das primárias, destacando que a prolongada disputa entre Obama e Hillary pode acabar alienando os eleitores democratas e favorecendo o candidato republicano, John McCain, na eleição de novembro. "Neste momento, nossa embarcação está fazendo água", disse Andrew ontem, em entrevista coletiva. "Precisamos tapar esses buracos, curar nossa divisão e avançar para bater McCain."O apoio de Andrew marca o mais recente avanço de Obama entre os superdelegados, membros do partido que têm a liberdade de desconsiderar o resultado das primárias em seus Estados e escolher o candidato que quiserem. Em dois meses, Obama reduziu a vantagem de Hillary entre os superdelegados pela metade.Segundo a Associated Press, Obama tem atualmente o apoio de 248 superdelegados, enquanto Hillary lidera com 268. No total geral de delegados, o senador está na frente, com 1.736, enquanto Hillary tem 1.602. Como só restam nove primárias a ser disputadas - todas com divisão proporcional de delegados entre os candidatos -, nenhum dos dois conseguirá os 2.025 necessários para a nomeação. Por isso, quem conquistar o apoio do maior número de superdelegados sairá vitorioso da disputa interna. Na terça-feira, os dois candidatos disputarão 115 delegados na primária da Carolina do Norte e 72 na de Indiana. Hillary precisa vencer em um dos Estados para continuar com força na disputa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.