Tiago Queiroz
Tiago Queiroz

Superlotação agrava pandemia nas cadeias da América Latina 

Recomendações como o isolamento social e lavar bem as mãos com água e sabão ou utilizar álcool em gel ficam praticamente impossíveis para a população carcerária se não houver ações do Estado

Fernanda Simas, O Estado de S.Paulo

02 de abril de 2020 | 08h00

Os governos da América Latina têm adotado medidas para frear a disseminação do novo coronavírus, mas é grande a dificuldade para conter esse avanço entre 1,6 milhão de pessoas que formam a população carcerária da região, segundo dados do World Prison Brief, plataforma do Instituto para a Investigação de Política Criminal e de Justiça (ICPR, na sigla em inglês).

Ainda não há vacina ou remédio comprovado contra o coronavírus e para evitar a disseminação da covid-19 a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda o isolamento social e lavar bem as mãos com água e sabão ou usando álcool em gel - o que fica praticamente impossível para a população carcerária se não houver ações do Estado.

Na semana passada, a alta-comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, pediu que os governos tomem medidas urgentes para proteger a saúde e a segurança das pessoas em detenção. 

“Cada país tem suas dificuldades específicas. Os sistemas de saúde em centros penitenciários tendem a ter menos capacidade de resposta. Além disso, são lugares propícios à rápida disseminação de doenças contagiosas.

Por isso, manter o distanciamento social e ter água e elementos de higiene são os principais desafios”, explica Alejandro Marambio Avaria, assessor regional para a América Latina em Sistemas Penitenciários do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV). 

De acordo com o estudo do World Prison Brief, a maior parte dos presos da América Latina se concentra no Brasil (773 mil) e no México (198 mil), os dois países da região cujos governos mais demoraram para agir contra o coronavírus.

Os presidentes Jair Bolsonaro e Andrés Manuel López Obrador saíram à ruas contrariando as recomendações da OMS e expressaram mais de uma vez que fechar o comércio e restringir o transporte público seria muito danoso à economia de seus países. 

A chegada do vírus nas penitenciárias é considerada mais preocupante em 11 dos 20 países da região, se levarmos em conta que nesses locais há uma superlotação das celas que passa de 100% da capacidade dos locais: Haiti (454,5%), El Salvador (333,3%), Guatemala (333,2%), Bolívia (253,9%), Peru (232,2%), Nicarágua (190,9%), República Dominicana (183,4%), Honduras (178,8%), Brasil (167%), Venezuela (153,9%) e Colômbia (149,7%) - de acordo com os dados de março de 2019 do World Prison Brief.

“As pessoas enxergam a massa carcerária como sendo uma coisa homogênea, todos são pessoas más, que precisam ser excluídas, eliminadas da sociedade e isso permite a suspensão dos direitos humanos. Nesses momentos de calamidade, esses grupos tendem a ser esquecidos. E estamos falando do direito à vida”, afirma o professor da ESPM Luiz Peres Neto que estuda a área penal há 16 anos. 

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Para tentar controlar a disseminação do coronavírus nas prisões, o CICV explica que atua em conjunto com os governos em etapas e a primeira delas é justamente evitar que a covid-19 chegue com força nesses locais.

“O mais importante é o compromisso dos sistemas de saúde de cada país. Os sistemas penitenciários devem ter contato direto com eles e cumprir todas as orientações e ordens. Em seguida cada país se adapta para estabelecer as melhores estratégias de acordo com seus recursos”, explica Marambio. 

Proteção x liberdade

Com a notícia do aumento de casos da covid-19 pelo mundo, o pânico começou a se espalhar também pelas prisões e os governos se apressaram em tomar medidas. Em alguns casos, a reação foi com motins e fugas. 

Na Colômbia, foi decretado estado de emergência carcerária, ferramenta que permite o traslado e o isolamento de presos, além de reduzir a pena de condenados por crimes leves com mais de 60 anos, doentes ou grávidas. Além disso, nos próximos três meses serão feitas reformas de banheiros com o auxílio do CICV, que também fornecerá materiais de higiene em 20 centros de detenção. 

No Brasil, medidas também foram tomadas. Em São Paulo, as visitas e saídas temporárias da prisão foram suspensas, levando quase mil presos a fugir de prisões no Estado após quatro rebeliões. 

Na Colômbia, motins em 13 prisões de forma simultânea terminaram com 25 detidos mortos e 83 feridos; revoltas em duas prisões da Argentina deixaram 5 mortos, e uma no Peru terminou com dois mortos. 

“Nos interessa que nesse processo se leve sempre em consideração a saúde dos funcionários, das pessoas privadas de liberdade e que cada restrição de direito obedeça a razões sanitárias, elegendo sempre a resposta com menor quantidade de restrições, que proteja a saúde física e mental de todos que convivem nas penitenciárias”, afirma Marambio, da CICV.

 

O professor Peres Neto ressalta que implementar as medidas necessárias para conter a propagação do vírus requer um planejamento importantes dentro das prisões. “Outro ponto importante é a logística. Como manter a rotina? Você precisa melhorar o sistema de higienização, diminuir o número de presos por cela, tem a questão dos horários das refeições, já que as pessoas precisam estar mais distantes umas das outras, então talvez precise aumentar os turnos de refeições. É uma logística que impacta o dia a dia das prisões”.

Progressão de pena

Uma medida que vem sendo estudada em países europeus é a diminuição da pena em determinados casos para diminuir a população carcerária. “As medidas de suspender as visitas e limitar as atividades sócio-educativas, por exemplo, têm uma carga muito pesada para quem vive naquela situação.

Pode ser feita uma progressão da pena, levando em conta o histórico do preso. A França por exemplo está discutindo isso, mas é difícil. Como você garante que não há um risco ao soltar essa pessoa?”, diz o professor.

Essa medida também é cogitada por Marambio. “O importante é o compromisso com a dignidade humana. Tendo em conta a vida das pessoas privadas de liberdade e a segurança dos cidadãos é possível encontrar estratégias de cumprimento de pena diferentes do encarceramento numa prisão para os que não sejam um risco à sociedade. Isso permitiria trabalhar muito melhor a resposta de saúde para o resto deles (presos).”

A ONU diz que o Estado tem o dever de proteger a saúde física e mental, além do bem-estar dos reclusos, conforme estabelecido nas Regras Mínimas para o Tratamento de Prisioneiros, documento também conhecido como Regras de Nelson Mandela, adotado em dezembro de 2015.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.