Superpetroleiro saudita é libertado por piratas da Somália

Capturado por corsários em novembro, navio considerado um dos maiores do mundo tem carga de US$ 100 mi

Agências internacionais,

09 de janeiro de 2009 | 11h31

Piratas somalis disseram nesta sexta-feira, 9, que um superpetroleiro saudita foi liberado, após quase dois meses capturado. O sequestro do Sirius Star, de 330 metros, trouxe pânico à navegação internacional e levou o mundo a aumentar a ação contra os piratas. De propriedade da gigante estatal Saudi Aramco, a embarcação foi capturada na costa da África em 15 de novembro. Levava uma carga de 2 milhões de barris de petróleo, no mais ousado ataques dos piratas nos últimos anos.   "Todo nosso pessoal agora deixou o Sirius Star. O navio está livre, a tripulação está livre", afirmou Mohamed Said, um dos líderes do grupo, à agência France Presse. "Houve problemas de último minuto, mas agora tudo está finalizado." Outro pirata, Sahafi Abdi Aden, também garantiu que o sequestro foi encerrado. Ele disse que não pode entrar em detalhes do "acordo", mas apenas dizer que o navio está livre. Ele ressaltou que ninguém se feriu durante o rapto.   O resgate pago não foi divulgado. Os piratas chegaram a pedir US$ 25 milhões pelo Sirius Star, mas as últimas notícias indicavam valores em torno de US$ 3,5 milhões. A tripulação do navio tinha 25 pessoas, nascidas no Reino Unido, Croácia, Arábia Saudita, Filipinas e Polônia. Os piratas operando na costa somali, no Golfo do Áden e no Oceano Índico realizaram mais de 130 ataques em 2008, tornando essas águas as mais perigosas do mundo.   A Somália é um país empobrecido e sem um governo de fato desde 1991. O país sofre também com uma insurgência islâmica, que ameaça derrubar o governo apoiado pela Organização das Nações Unidas (ONU). Houve pelo menos 96 ataques dos piratas até agora neste ano em águas somalis, com 40 embarcações capturadas. Quinze embarcações, com perto de 300 tripulantes, estão sob controle dos piratas, que ancoram a leste ou sudeste enquanto negociam os resgates.

Tudo o que sabemos sobre:
Somáliapiratassuperpetroleiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.