Jonathan Ernst/Reuters
Jonathan Ernst/Reuters

Superterça: Biden ressurge e vence em 9 estados; Sanders leva 3

O ex-vice-presidente, que estava mal nas primárias, sai na frente na disputa para quem representará o Partido Democrata contra o republicano Donald Trump nas eleições de novembro

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de março de 2020 | 21h39
Atualizado 04 de março de 2020 | 09h49

WASHINGTON - Joe Biden ressurgiu nas prévias do Partido Democrata e conseguiu transformar em votos na Superterça o apoio recebido dos pré-candidatos que abandonaram as primárias.

Com a vitória em 9 dos 14 estados que realizaram votações nesta terça, 3, Biden conseguiu derrotar o senador progressista Bernie Sanders e assumir a liderança em número de delegados, passo importante para garantir a indicação do partido e concorrer contra Donald Trump na eleição nacional.

Depois de somar uma impressionante série de vitórias em vários estados importantes na Superterça, incluindo uma vitória surpreendente no Texas, o ex-vice-presidente de Barack Obama, assume a liderança da disputa Democrata, que há duas semanas pertencia a Sanders.

Para Entender

O que é a Superterça e por que ela pode ser crucial na eleição dos EUA

Votações em 14 estados e um território americano vão definir 35% dos delegados em corrida democrata; Sanders e Biden se consolidam como principais rivais

Com 228 delegados em jogo, o Texas era o segundo estado mais importante dessa terça-feira, 3, depois da Califórnia, onde as projeções apontam vitória de Sanders. A agência americana Associated Press já cravou a vitória do senador no 'Golden State'.

Até o momento, de acordo com o New York Times, Biden, de 77 anos, venceu na Virginia, estado que tem 99 delegados; Carolina do Norte (110), Alabama (52), Oklahoma (37), Tennessee (64), Arkansas (31), Minnestota (75), Massachusetts (91) e no Texas (228).  O rival Sanders ganhou em Vermont, UtahColorado.

Votação surpreendente para Biden

Biden derrotou Sanders em estados pouco prováveis, como Massachussetts, estado da senadora Elizabeth Warren, cada vez mais esvaziada na disputa, e Minnesota, estado de Amy Klobuchar, que desistiu da campanha e apoiou Biden.

Graças ao eleitorado negro, Biden confirmou o favoritismo nos os estados do Sul: Alabama, Arkansas, Oklahoma e Tennessee. Mesmo com Sanders sendo favorito entre os hispânicos, Biden surpreendeu e venceu até mesmo no Texas.

Até nos estados em que perdeu, como Califórnia e Utah, Biden chegou em segundo, com votações próximas de Sanders, que teve desempenho pior do que em 2016, quando perdeu a nomeação do partido para Hillary Clinton.

O mais surpreendente, segundo analistas, é que Biden sequer pisou em muitos dos estados em que foi vitorioso. Como concentrou seus esforços para conseguir uma vitória na Carolina do Sul, há duas semanas, não conseguiu fazer campanha em muitos dos estados da Superterça.

Biden lidera Superterça em total de delegados

Com os resultados parciais apurados até agora, estima-se que Biden deve ganhar ao menos 401 delegados; Sanders, 323, o ex-prefeito de Nova York Michael Michael Bloomberg, 33, a senadora de Massachusetts Elizabeth Warren, 33, e a deputada pelo Havaí, Tulsi Gabbard, um.

Biden não vinha bem nas primárias até sua vitória na Carolina do Sul, na semana passada, mas poucos analistas esperavam uma vitória tão imponente como a desta Superterça.

O ex-vice-presidente americano conseguiu vitórias importantes nos estados do Sul, e o eleitorado negro foi determinante para o sucesso de Joe Biden. Para Sanders, o voto dos latinos e uma vitória na Califórnia devem impulsionar a continuidade da candidatura do senador. 

"É uma boa noite e parece que vai ser ainda melhor! Não chama 'Superterça' à toa", comemorou Biden diante de simpatizantes em Los Angeles após o anúncio das primeiras projeções. 

Desempenho ruim de Bernie Sanders

Enquanto a apuração segue, Bernie Sanders fez comício no estado pelo qual é senador, Vermont, e prometeu que será o candidato do Partido Democrata: "Nossa campanha será vencedora, e vamos derrotar o mais perigoso presidente da história dos Estados Unidos", disse Sanders.

Apesar do discurso, o desempenho de Sanders foi abaixo da expectativa. Antes da votação, ele era indicado como vencedor em pelo menos oito estados, segundo a maioria das pesquisas.

Suas vitórias em Vermont, Colorado e Utah eram esperadas - e nestes dois últimos, aconteceram com uma vantagem menor do que a vitória de Sanders sobre Hillary Clinton, em 2016, quando perdeu a nomeação do partido. 

Na Califórnia, Os resultados ainda não foram totalmente apurados, mas Sanders tem uma vantagem de 235 mil votos, o que estatisticamente o coloca com mais de 90% de chances de conquistar os delegados californianos.

A Califórnia é o estado com maior número de delegados na disputa democrata. São 415 ao todo. A distribuição desses delegados entre os pré-candidatos pode demorar dias para ser determinada, porque depende da contagem em todos os seus 53 distritos.

Cada candidato que alcançar 15% do total de votos terá direito a uma parte proporcional de um lote de 144 delegados atribuídos em nível estadual. Os 271 delegados restantes serão divididos de acordo com os resultados individuais de cada um dos 53 distritos.

Outros candidatos na Superterça

Esta Superterça indica que a disputa pela nomeação do Partido Democrata ficará entre Biden e Sanders. As recentes desistências de Buttigieg, Klobuchar e do ambientalista Tom Steyer após a prévia da Carolina do Sul já haviam afunilado a corrida.

Uma corrida antes confusa chegou à noite mais crucial das primárias como uma batalha cada vez mais bem definida entre democratas progressistas que representam a ala mais à esquerda do partido, que apoiam Sanders e Warren, e os centristas moderados que preferem Biden.

Após os resultados prévios desta Superterça, a tendência é que Elizabeth Warren deixe a disputa. Ela não chegou a declarar essa possibilidade, mas como não obteve bom resultado em nenhum estado, as chances da pré-candidata diminuíram. 

Um curinga foi Michael Bloomberg, que pulou as quatro primeiras primárias democratas, mas investiu mais de US$ 500 milhões de sua fortuna em propaganda na TV nos estados da Superterça e enfrenta uma pressão crescente para provar que valeu a pena.

Bloomberg levou cinco dos seis delegados do território da Samoa Americana, mas afirmou que vai reavaliar sua candidatura após o resultado decepcionante. / COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.