Alexandre Marchetti/Itaipu Binacional
Alexandre Marchetti/Itaipu Binacional

Suplente do Major Olímpio esteve no Planalto um dia depois de Bolsonaro ir a Itaipu

Alexandre Giordano diz ter ido a Brasília para reunião da Secom na condição de empresário e sem tratar nada referente à usina

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2019 | 15h16

O empresário Alexandre Giordano, suplente do senador Major Olímpio (PSL-SP), esteve no Palácio do Planalto no dia 27 de fevereiro, segundo o Gabinete de Segurança Institucional (GSI). 

A visita ocorreu um dia depois de o presidente Jair Bolsonaro ter ido a Foz do Iguaçu, na fronteira com o Paraguai, para dar posse ao diretor brasileiro da Hidrelétrica de Itaipu, o general Joaquim Silva e Luna. O presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez, também participou da cerimônia.

Ao Estado, Giordano disse que foi se encontrar com o então chefe da Secretaria de Comunicação Social (Secom), Floriano Amorim, na condição de empresário.

Segundo ele, a visita do dia 27 de fevereiro foi a única vez que esteve no Planalto. “Fui lá para conhecer o chefe da Secom sempre na minha carreira solo como empresário. Não tem nada, absolutamente nada a ver com Itaipu”, disse o empresário.

De acordo com Giordano, Bolsonaro não estava no palácio no momento da visita. 

Para Entender

Guia sobre a crise entre Brasil e Paraguai por causa da energia produzida em Itaipu

Novo acordo sobre hidrelétrica binacional assinado por Brasília e Assunção levou oposição a pressionar por impeachment do presidente Mario Abdo Benítez

Bolsonaro esteve em Foz do Iguaçu um dia antes

A agenda do presidente não registra eventos na manhã do dia 27 de fevereiro. A Secom foi procurada mas não respondeu até a publicação desta reportagem.

Segundo resposta do GSI a um pedido de informações feito pelo deputado Ivan Valente (PSOL-SP), Giordano esteve no Palácio às 8h59 do dia 27 de fevereiro. A resposta não especifica com quem o empresário foi se encontrar nem em quais salas ele esteve. O documento foi revelado terça-feira, 26, pela revista Carta Capital.

Para Entender

Como o nome de Bolsonaro foi envolvido no escândalo de Itaipu no Paraguai

Assessor de vice paraguaio usou nome da família do presidente em negócio de venda de energia para empresa brasileira, representada por suplente do senador Major Olímpio (PSL-SP)

Um dia antes, Bolsonaro esteve com Abdo Benítez em Foz do Iguaçu. A revelação dos termos do acordo firmado  – e depois cancelado – entre os dois países que permitiria a venda de energia paraguaia por empresas privadas no Brasil provocou uma crise política no país vizinho que chegou a ameaçar o mandato de Abdo.

 

Empresário participou de negociações no Paraguai

O suplente de senador participou das negociações sobre a comercialização no Brasil da energia excedente de Itaipu pertencente ao Paraguai. Ele foi duas vezes ao país vizinho em aviões particulares ao lado de representantes da empresa Léros.

A Léros é alvo de investigação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Congresso paraguaio que apura suposto privilégio à empresa brasileira na comercialização da energia paraguaia. 

Em mensagens entregues ao Ministério Público do Paraguai, o advogado José “Joselo” Rodríguez, que se apresentava como assessor jurídico da vice-presidência do Paraguai, dizia que a Léros representava o “governo brasileiro”.

Giordano, que possui empresas interessadas no comércio de energia, chegou a sublocar uma sala para o diretório estadual do PSL, cujo presidente é o deputado Eduardo Bolsonaro

Ele também chegou a se reunir com dirigentes da Administração Nacional de Energía (Ande, a estatal paraguaia de energia) duas vezes para negociar a comercialização do excedente de Itaipu mas desistiu do negócio. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.