Supostas vítimas de Assange não fazem parte de complô, defende advogado

'Acusação não tem nada a ver com o WikiLeaks ou com a CIA', diz

Reuters

08 de dezembro de 2010 | 12h18

ESTOCOLMO - As duas mulheres suecas que acusam Julian Assange, fundador do WikiLeaks, de ter cometido crimes sexuais não estão envolvidas em um complô político contra o australiano, disse nesta quarta-feira, 8, o advogado das supostas vítimas.

 

Veja também:

especialEspecial: Por dentro do WikiLeaks

blog Radar Global: principais vazamentos do 'cablegate'

lista Veja tudo o que foi publicado sobre o assunto

 

Claes Borgstrom declarou à imprensa que os depoimentos dados pelas mulheres são críveis e considerou que há possibilidades de que a Suécia finalmente apresente as acusações contra Assange. O fundador do WikiLeaks foi detido na terça em Londres.

 

"O caso não tem nada a ver com o WikiLeaks ou a CIA", disse o advogado, referindo-se às suspeitas de que os EUA, incomodados com os vazamentos do site, estariam em busca de Assange. Borgstrom negou que suas clientes estejam envolvidas em "uma perseguição motivada politicamente" o australiano.

 

Assange é considerado o responsável pelo vazamento dos mais de 250 mil documentos americanos, que começou no dia 28 de novembro e causou constrangimento às autoridades americanas por ter revelado segredos da política externa dos EUA. Washington classificou a ação como irresponsável e como uma ameaça à segurança nacional.

 

Saiba mais:

linkAustrália culpa EUA por vazamentos do WikiLeaks

 

O australiano foi preso na terça-feira e está sob custódia no Reino Unido, onde aguarda julgamento. Um primeiro pedido para pagamento de fiança foi negado, mas seus advogados já estão se mobilizando para aplicar novos recursos.

Tudo o que sabemos sobre:
WikiLeaksJustiçaAssangeSuécia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.