Suposto agente do Mossad é libertado na Alemanha após pagar fiança

Israelense é suspeito de participar de assassinato de líder do Hamas em Dubai em março

estadão.com.br

13 de agosto de 2010 | 09h51

BERLIM - Um israelense suspeito de ser agente do Mossad, o serviço secreto de Israel, que estaria envolvido no assassinato de um líder do Hamas foi libertado nesta sexta-feira, 13, na Alemanha depois de pagar fiança, informou a Promotoria de Colônia, segundo a agência de notícias AFP.

 

Veja também:

especialEspecial: Na mira dos serviços secretos

 

Uri Brodsky, acusado de envolvimento no assassinato do líder militar do Hamas, Mahmoud al-Mabhouh, havia sido extraditado para a Alemanha. Ele é suspeito de participar da falsificação de passaportes alemães para agentes secretos do Mossad. Brodsky foi preso no aeroporto de Varsóvia em junho.

 

De acordo com a polícia de Dubai, onde aconteceu o crime, espiões israelenses munidos de passaportes falsificados britânicos, franceses, irlandeses, australianos e alemães entraram no país e executaram al-Mabhouh, acusado de intermediar o envio de armas iranianas para o Hamas.

 

Vários países europeus ficaram incomodados com as falsificações, dentre eles do Reino Unido, que expulsou um diplomata israelense em março por causa da questão. Brodsky foi a primeira das pessoas a ser indiciada nominalmente dentre os israelenses suspeitos de ligação com o assassinato.

Tudo o que sabemos sobre:
MossadAlemanhaIsraelHamasal-Mabhouh

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.