Suposto assassino de modelo mirim será transferido para o Colorado

Autoridades americanas têm sob sua custódia John Mark Karr, suposto assassino da modelo mirim JonBenet Ramsey, morta violentamente em 1996 aos seis anos de idade. No entanto, longe de esclarecer o caso, sua detenção só aumentou o mistério. Nesta terça-feira, Karr, de 41 anos, passou por uma audiência em um tribunal em Los Angeles, que determinou sua extradição a Boulder, Colorado, local do crime ocorrido em 26 de dezembro de 1996.Devido a regulamentos interestaduais sobre o transporte de acusados, as autoridades tinham que fazer a parada na Califórnia para realizar os trâmites da extradição, em vez de seguir direto para Boulder. Se Karr impugnasse a extradição, poderia permanecer em Los Angeles por até 30 dias.Uma vez em Colorado, Karr pode enfrentar acusações de assassinato em primeiro grau, seqüestro e abuso sexual pela morte de JonBenet, então com seis anos. O rosto angelical da modelo infantil esteve nos telejornais americanos nos últimos 10 anos.Karr vivia em relativo anonimato como professor de escola primária em Bangcoc até que na quinta-feira passada, quando foi preso na Tailândia, rompeu seu silêncio e disse à imprensa que a morte foi "acidental" e que ele a amava. Quase dez anos se passaram desde que o corpo da menina foi encontrado no porão da própria casa em Boulder, em circunstâncias não esclarecidas. Os pais de JonBenet sempre foram suspeitos de terem cometido o crime, tanto por parte da polícia quanto da imprensa.Até agora, a única "prova" do crime divulgada ao público foram as próprias palavras do suposto assassino. As autoridades não querem revelar nada do que Karr disse em seus depoimentos durante os interrogatórios em Bangcoc. Sua confissão só fez aumentar o mistério do caso.BoatosBlogs na internet estão repletos de comentários sobre a culpa ou inocência de Karr, e sobre como e porque cometeu o crime. Para aumentar a torrente de especulações, sua ex-mulher disse que Karr estava com ela no estado do Alabama na noite do crime. Por isso, muitos se perguntam se Karr é a resposta pela qual procuram as autoridades do Colorado, ou se o homem tem problemas mentais e está em busca de atenção e destaque. Desde o crime, a polícia estadual do Colorado tem sido pressionada para resolver o mistério.Durante sua viagem para os EUA, no último domingo, Karr desfrutou da boa comida e champagne da primeira classe. Karr tinha que ser escoltado cada vez que ia ao banheiro, tendo que deixar a porta entreaberta, enquanto vários agentes o esperavam do lado de fora. Ao aterrissar em Los Angeles, Karr teve que deixar as regalias dos passageiros de primeira classe e se despojar de suas roupas, para se converter em mais um prisioneiro da prisão de segurança máxima conhecida como "As Torres Gêmeas". IsolamentoPara sua própria segurança, Karr está isolado em uma cela de 1,80 por 2,70 metros, sem janelas nem telefone. Guardas da prisão o vigiarão de 15 em 15 minutos. O olhar ausente de Karr não delata o conflito interno que, segundo os meios de comunicação, acompanham o acusado desde sua infância, já que, supostamente, sua mãe se empenhou em criá-lo como uma garota. Ao que parece, Karr foi à uma clínica estética em Bangcoc no início do ano para eliminar rugas com raios laser, e pouco depois teria ido a uma policlínica para uma consulta sobre mudança de sexo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.