Omar Haj Kaddour/ AFP
Omar Haj Kaddour/ AFP

Suposto ataque a míssil de Israel aumenta tensões na Síria

Ataque israelense é mais um fator internacional no conflito em território sírio, que já envolve países como Rússia, Irã e Turquia

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de fevereiro de 2020 | 07h37

O Governo sírio de Bashar Al Assad denunciou um suposto ataque a mísseis ordenado por Israel contra alvos na capital do país, Damasco, nesta quinta-feira, 6. O acontecimento é mais um fator de tensão na Guerra da Síria, que já envolve países como Irã, Rússia e Turquia.

Os mísseis teriam sido lançados pela força aérea israelense a partir das Colinas de Golã, território ocupado por Israel desde a Guerra dos Seis Dias, em 1967, e do sul do Líbano. O ataque teria como alvo bases iranianas e sírias em Damasco e na província de Deraa, ao sul da capital.

A televisão estatal síria mostrou imagens da defesa antiaérea síria derrubando mísseis no espaço aéreo da capital. A agência estatal SANA informou que a maior parte dos projéteis foi abatida antes de atingirem os alvos.

O Governo sírio não divulgou informações sobre danos ou vítimas, porém, o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, ONG sediada no Reino Unido, informou que os mísseis atingiram três posições sírias e iranianas perto de Damasco, causando um incêndio em uma dessas áreas.

ATAQUE DE ISRAEL E TENSÃO INTERNACIONAL

Este não é o primeiro ataque de Israel na Síria. O país judeu frequentemente ataca alvos das forças do governo sírio e seus aliados, milícias xiitas libanesas ou iranianas, causando baixas entre suas fileiras. Contudo, o ataque desta quinta é um fator internacional a mais na já tensa agenda internacional pela qual passa a guerra síria.

O principal foco de tensões é a região noroeste do país, em especial a província de Idlib, que é disputada por forças rebeldes, tropas governistas de Bashar Al Assad e pelo governo turco, que comanda uma campanha militar na área próxima a fronteira com o país.

Enquanto a diplomacia turca pede uma mediação russa para que os ataques governistas na região sejam suspensos, a fim de evitar uma escalada do conflito, o Kremlin alega que as forças governistas da Síria e a infraestrutura russa no país continuam sendo atacadas na zona que estaria sob influência da Turquia.

Um encontro de delegações russa e turca, ou mesmo de Vladimir Putin e Recep Tayyip Erdogan, é esperado para tratar do imbróglio na região. Turquia, Rússia e Irã ainda coordenam as ações em terra na Síria. / Agências Internacionais

Tudo o que sabemos sobre:
Israel [Ásia]Síria [Ásia]míssil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.