Suposto bombardeio dos EUA mata 12 no Paquistão

Avião não-tripulado lança dois mísseis contra casa; pelo menos quatro morrem em combates no Afeganistão

Agências internacionais,

14 de novembro de 2008 | 08h29

Um suposto ataque aéreo americano matou pelo menos 12 pessoas em um vilarejo paquistanês na região da fronteira com o Afeganistão nesta sexta-feira, 14, segundo afirmaram oficiais do Paquistão. O ataque ocorreu no Waziristão do Norte, província na área tribal e bastião de militantes da Al-Qaeda e do Taleban.   Serviços de inteligência paquistaneses afirmaram que pelo menos dois mísseis lançados por aviões não-tripulados atingiram uma casa em Ghari Wam, a 30 quilômetros da fronteira entre os dois países. Os oficiais afirmaram que 12 pessoas teriam morrido, entre elas supostos militantes cujas identidades não foram confirmadas. Insurgentes taleban armados isolaram a área para retirar os corpos.   A região tribal do Paquistão é considerada como provável esconderijo do líder da Al-Qaeda, Osama bin Laden, e o número 2 do grupo terrorista, Ayman al-Zawahri. O número de ataques americanos no local aumentou drasticamente nos últimos meses. A coalizão americana no Afeganistão não estava disponível para comentar o incidente.   Afeganistão   A coalizão militar liderada pelos EUA no Afeganistão informou que seus soldados mataram quatro militantes ligados à Al-Qaeda. Segundo os militares, os guerrilheiros atuavam numa operação destinada a ajudar a rede terrorista a levar árabes e outros combatentes estrangeiros para o território afegão. Os quatro foram mortos na quinta-feira à noite próximo à fronteira com o Paquistão, no distrito de Zurmat, na província de Paktia, leste do país.   Na quinta, um atentado suicida contra um comboio militar dos EUA deixou 1 soldado americano e pelo menos 18 civis afegãos mortos, além de 75 feridos, no distrito de Bati Kot, também no leste do Afeganistão. O suicida lançou o carro-bomba contra os veículos militares americanos perto de um movimentado mercado.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoPaquistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.