Suposto líder espiritual de grupo terrorista é morto

O suposto líder espiritual do Monoteísmo e Guerra Santa, um grupo terrorista ligado à Al-Qaeda que atua no Iraque e vem se responsabilizando pela decapitação de reféns americanos, foi assassinado em um ataque aéreo promovido pelos Estados Unidos, denunciaram seu pai e clérigos islâmicos que não quiseram ser identificados. O xeque Abu Anas al-Shami, de 35 anos, morreu quando um míssil atingiu o carro no qual viajava na última sexta-feira pelo bairro de Abu Ghraib, na zona oeste de Bagdá, disseram clérigos que conhecem a família. A suposta ação americana repete a política de "assassinatos seletivos" promovida por Israel contra os palestinos. Al-Shami teria relações próximas com o jordaniano Abu Musab al-Zarqawi, suposto líder operacional do Monoteísmo e Guerra Santa. Mas clérigos ligados à família estranharam as notícias de que Al-Shami teria entrado para o grupo terrorista. Eles se recordam do colega como uma pessoa calma, flexível e de ideologia moderada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.