Suposto patriarca mafioso de 86 anos é morto no Canadá

Um suposto patriarca mafioso ainda na ativa, Nicolló Rizzuto, de 86 anos, foi morto a tiros em sua residência em Montreal, no Canadá, no mais recente golpe contra uma organização criminosa que já foi poderosa. Rizzuto foi morto a tiros às 17h40 de ontem, de acordo com a polícia canadense. Ele foi levado a um hospital vizinho, mas foi declarado morto logo após chegar ao local.

AE, Agência Estado

11 de novembro de 2010 | 15h28

O comandante da polícia de Montreal, Denis Mainville, disse que era difícil saber que poder Rizzuto tinha na família, mas ele era uma figura respeitada e reverenciada. "Nós sabemos que o Rizzuto era um membro importante da máfia siciliana, mas novos personagens entraram em cena nos últimos meses e anos", disse Mainville. O filho de Rizzuto, Vito, está atualmente preso no Estado do Colorado (EUA), por extorsões relacionadas a três casos de assassinatos da máfia. A polícia canadense disse que tentará entrevistar Vito na prisão americana, para descobrir quais são as possíveis ameaças que sua família sofre. Nascido na Sicília, "Nick" Rizzuto imigrou para o Canadá em 1954.

Os Rizzuto obtiveram poder no submundo em Montreal após um golpe violento contra a família Cotroni, seus rivais calabreses, na década de 1970. Eles têm negócios considerados legítimos, como bares, restaurantes e empresas de construção.

Nick Rizzuto Jr., neto de Nicolló e filho de Vito, foi morto a tiros em Montreal, em 28 de dezembro passado, na frente de casa. Outro integrante importante da família, Agostino Cuntrera, foi morto a tiros em junho. Antonio Nicaso, especialista em máfia no Canadá, acredita que as mortes na família Rizzuto são a tentativa de algum rival de eliminá-la do protagonismo no submundo canadense. "Eu não sei quem matou Nicolló Rizzuto, mas quem fez isso quer remover a família do mapa do submundo no Canadá", disse o jornalista e escritor. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
mortepatriarcaCanadámáfia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.