AFP
AFP

Suposto uso de armas químicas em ataque na Síria preocupa EUA

Governo americano evitou confirmar o uso do recurso durante o atentado em Alepo, que deixou quatro mortos e dezenas de feridos, mas as denúncias de sua utilização são crescentes

O Estado de S.Paulo

12 Agosto 2016 | 12h54

WASHINGTON - Os Estados Unidos expressaram sua preocupação na quinta-feira com o suposto uso de armas químicas na Síria, como em um ataque em Alepo relatado no dia anterior.

Nas últimas semanas, o governo americano evitou confirmar o uso de armas químicas no território sírio, apesar das denúncias crescentes, mas na quinta-feira a porta-voz do Departamento de Estado, Elizabeth Trudeau, abordou o assunto.

"Examinamos informações, segundo as quais armas químicas teriam sido utilizadas contra civis em Alepo", disse Elizabeth sobre o ataque em Alepo, que teria deixado quatro mortos e dezenas de feridos.

"Levamos essas informações muito a sério. Condenamos, como fizemos no passado, todo recurso às armas químicas", acrescentou a porta-voz.

No final de 2013, Estados Unidos e Rússia promoveram na ONU uma resolução para desmantelar o arsenal de armas químicas de Damasco.

A diplomata americana não quis "confirmar" o ataque químico em Alepo, mas ressaltou que seu país "está muito preocupado com o aumento do número de denúncias sobre o uso desse tipo de armas nas últimas semanas".

Se as denúncias contra o governo do presidente sírio Bashar Assad forem confirmadas, isso constituirá uma "violação" da resolução do Conselho de Segurança, lembrou Elizabeth.

Em 3 de agosto, a Organização para a Proibição de Armas Químicas (Oiac) denunciou o possível uso de cloro durante um bombardeio perto de Alepo.

Segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), 24 pessoas disseram sofrer de dificuldades respiratórias depois que barris de explosivos foram lançados sobre a cidade de Saraqeb, perto de Alepo. / AFP

Veja abaixo: Vídeos mostram que tragédia humanitária segue na Síria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.