Supostos militantes do Boko Haram sequestram cerca de 30 mulheres na Nigéria

Supostos militantes islâmicos do Boko Haram sequestraram cerca de 30 mulheres de assentamentos nômades no nordeste da Nigéria, perto do local onde o grupo havia sequestrado mais de 200 estudantes, disseram moradores e a imprensa nigeriana.

REUTERS

10 de junho de 2014 | 12h26

Os moradores de Chibok, de onde as estudantes levadas em abril, disseram à Reuters nesta terça-feira que haviam encontrado nômades fugindo de ataques da semana passada e dizendo que os sequestradores exigiam gado em troca das mulheres.

"Um deles, chamado Mohammed, me disse que o Boko Haram rendeu os homens usando armas e seus militantes foram de cabana em cabana para levar mulheres", disse Yahaya Musa. "Os sequestradores lhes disseram para trazer vacas como pagamento pelo resgate", disse o agricultor Yakub Chibok.

A polícia e os porta-vozes do Exército disseram que não podiam confirmar os relatos de sequestros de mulheres na quinta-feira em áreas próximas a Chibok.

O jornal Daily Trust, citando autoridades não identificadas, disse que os assentamentos nômades atingidos incluíam Bakin Kogi, Garkin Fulani e Rigar Hardo.

Relatos de que os sequestros continuam, mesmo com uma ofensiva do Exército e um clamor internacional pelo resgate das meninas, vão aumentar a pressão política sobre o governo nigeriano para conter os rebeldes.

O presidente Goodluck Jonathan aceitou ajuda militar e de inteligência dos EUA e outros países para encontrar as meninas sequestradas. Mas os militantes só aumentaram seus ataques.

(Reportagem de Isaac Abrak)

Mais conteúdo sobre:
NIGERIABOKO HARAMSEQUESTRO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.