Supostos opositores são torturados no Zimbábue

Advogados de 46 pessoas acusadas de traição no Zimbábue, por supostamente planejarem manifestações contra o governo, afirmam que integrantes do grupo foram torturados pela polícia. Alec Muchadehama disse a um tribunal de Harare hoje que 12 suspeitos foram espancados com cabos de vassoura. Eles foram detidos no sábado por participarem de uma palestra sobre a onda de protestos no norte da África.

AE, Agência Estado

24 de fevereiro de 2011 | 14h19

Segundo Muchadehama, outros prisioneiros tiveram o acesso a medicamentos e a seus advogados negado. No Zimbábue, traição pode levar à penas de morte. Promotores do Estado afirmam que o grupo de ativistas trabalhistas e sociais realizou uma reunião para planejar uma revolta contra o presidente Robert Mugabe. O grupo afirma que o encontro era uma reunião acadêmica e nega qualquer delito. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Zimbábuepolíticaprisões

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.