Supostos radicais islâmicos detidos com materiais químicos

Quatro supostos radicais islâmicos detidos na França e vinculados a um suspeito de terrorismo capturado na Grã-Bretanha guardavam um misterioso líquido e um traje de proteção, informou hoje o ministro francês do Interior. Nicolas Sarkozy disse que os homens - três argelinos e um marroquino - tinham estado em contato com Rabah Kadre, que foi detido no mês passado junto com dois outros suspeitos, na Grã-Bretanha, por acusações de terrorismo. Sarkozy indicou que eles planejavam um ataque e que "em relação a estes homens, era preciso prendê-los o mais rápido possível". Não deu mais detalhes. Agentes franceses de contraterrorismo prenderam os quatro supostos militantes em um subúrbio de Paris na segunda-feira. Funcionários do Poder Judiciário francês haviam informado apenas sobre a captura de três. No momento de sua prisão, os homens tinham em seu poder US$ 5.000 em dinheiro, um computador e documentos com propaganda islâmica, informaram fontes que pediram para serem mantidas no anonimato. Sarkozy disse que no apartamento também foram encontrados documentos falsos, dois frascos com um líquido ainda não determinado e um "traje militar de proteção contra riscos biológicos, químicos e nucleares". Afirmou que, aparentemente, os detidos foram treinados em campos no Afeganistão e na Chechênia. De acordo com noticiários das rádios e tevês francesas e com o jornal Le Parisien, os suspeitos estariam preparando um ataque químico. Informações não-confirmadas transmitidas por rádio e televisão franceses indicaram que tais substâncias são voláteis e serem utilizadas, por exemplo, para contaminar os sistemas públicos de água potável. Fontes ligadas ao Poder Judiciário disseram à Associated Press que testes de laboratório estavam em andamento para determinar a exata natureza das substâncias em poder dos detidos. As fontes não souberam dizer quando ou onde os suspeitos pretendiam agir. Kadre, de 35 anos, foi detido no início do mês passado na Grã-Bretanha, acusado da posse de materiais para a "preparação, instigação ou realização" de atos terroristas. Notícias veiculadas pelos meios de comunicação franceses haviam dito que Kadre estava vinculado à rede Al-Qaeda e que esteve em treinamento no Afeganistão. As prisões foram efetuadas por suspeitas de "associação criminosa para um plano terrorista". O caso estaria vinculado a uma investigação sobre as atividades de grupos chechenos iniciadas em 13 de novembro, segundo o jornal Le Figaro. A ordem de prisão foi emitida pelo principal juiz antiterrorismo, Jean-Louis Bruguière, que investiga várias conspirações e ataques - tanto na França como no exterior - e tem amplos poderes para rastrear suspeitos, promover buscas em domicílios, proceder a escutas telefônicas, ordenar prisões, interrogar e apresentar acusações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.