Suprema Corte destitui premiê paquistanês

A Suprema Corte do Paquistão destituiu ontem o premiê Yousef Raza Gilani, numa drástica escalada do confronto que ocorre entre o governo e o Judiciário, e mergulhou o sistema político numa profunda agitação.

ISLAMABAD, O Estado de S.Paulo

20 de junho de 2012 | 03h01

O juiz Iftikar Muhammad Chaudhry declarou que o cargo de Gilani estava efetivamente vago desde 26 de abril, quando a corte o considerou culpado de desacato por ele ter se recusado a investigar um caso de corrupção dos anos 90 contra o presidente Asif Ali Zardari, seu superior. Muitos consideram a decisão resultado de uma briga motivada pela inveja entre Zardari e o juiz Chaudhry, na qual o premiê foi apanhado no fogo cruzado.

A ordem deixou o Paquistão num estado de incerteza constitucional, pois praticamente todo o gabinete foi destituído. A corte instruiu Zardari a "garantir a continuação do processo democrático" - palavras em grande parte interpretadas como uma ordem para organizar eleições gerais, que estavam marcadas para dentro de um ano, e escolher um novo premiê.

Na semana passada, um empresário bilionário afirmou ter pago propinas que somam US$ 3,7 milhões a Arsalan, filho de Chaudhry, para obter decisões favoráveis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.