Suprema Corte do Egito considera parlamento ilegal

A Suprema Corte Constitucional do Egito determinou neste domingo que o parlamento ou Conselho de Shura e o painel constitucional do país foram ilegalmente eleitos, o que representa um sério revés legal para a manutenção do poder dos islâmicos no país.

Agência Estado

02 Junho 2013 | 13h56

Segundo a decisão do órgão, o parlamento não será dissolvido até a realização das eleições da câmara baixa, que foi também foi dissolvida, no fim desde ano ou no início de 2014.

A decisão deve prolongar o processo de transição política que se seguiu à derrubada do líder autoritário Hosni Mubarak, há dois anos. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Egitoparlamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.