Suprema Corte dos EUA aceita caso de americano "inimigo"

A Suprema Corte dos Estados Unidos aceitou a missão de determinar se a Constituição americana proíbe o governo George W. Bush de manter cidadãos dos EUA detidos por tempo indeterminado, sem acesso a advogados nem às cortes, quando forem suspeitos de ser "combatentes inimigos".Os magistrados analisarão o caso de José Padilla, um cidadão americano que já fez parte de uma gangue de Chicago e mais tarde converteu-se ao islamismo. Ele foi detido em sua cidade natal depois de retornar de uma viagem ao Paquistão. O governo alega que ele fazia parte de um complô para detonar uma "bomba suja" radioativa, dentro dos EUA.O caso Padilla transcorre paralelamente a um outro caso de terrorismo. Juntos, os casos de Yaser Esam Hamdi e Padilla permitirão à Suprema Corte emitir seu mais amplo parecer até o momento sobre os direitos judiciais de americanos capturados em meio à guerra contra o terrorismo. Os processos serão ouvidos no fim de abril. Um parecer é esperado para meados deste ano. Os casos serão analisados conjuntamente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.