Saul Loeb/AFP
Saul Loeb/AFP

Suprema Corte dos EUA inicia discussão histórica sobre direitos de gays e trans

Justiça analisará casos envolvendo o direito de demitir um funcionário gay ou trans, um tema que gera profundas divisões na sociedade americana e nos tribunais

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de outubro de 2019 | 07h05

WASHINGTON - A Suprema Corte dos Estados Unidos começou a analisar na terça-feira, 8, um caso envolvendo o direito de demitir um funcionário gay ou trans, uma audiência histórica sobre um assunto que provoca profundas divisões na sociedade e também nos tribunais.

Os direitos das minorias sexuais registraram avanços graças aos tribunais, incluindo a Suprema Corte, que legalizou, em 2015, o casamento entre pessoas do mesmo sexo nos Estados Unidos.

Apenas 22 Estados proíbem a discriminação das minorias sexuais no âmbito profissional. Nos demais Estados, é a Suprema Corte que pode tirar "dos LGBTs seu status de (cidadãos) de segunda categoria", disse Ria Tabacco Mar, da mais ativa organização de defesa dos direitos civis nos EUA, a ACLU.

Na terça-feira, cerca de 100 pessoas se reuniram na frente da Suprema Corte, em Washington, em apoio aos direitos das minorias. A atriz trans Laverne Cox participou do ato, assim como a atriz mexicana Sara Ramirez. 

Suprema Corte ouvirá dois casos 

O primeiro, um instrutor de paraquedismo de Nova York, foi demitido depois de brincar com um cliente, que ia saltar amarrada a ele com um cinto, sobre ser homossexual. Zarda morreu em um acidente em 2014, mas sua família continuou a disputa legal.

Já Bostock, um assistente social do Estado da Geórgia, foi mandado embora depois de entrar para um time gay.

A demissão de Zarda foi anulada pela Justiça, mas a de Bostock foi ratificada em um tribunal. Essa diferença de interpretação da lei justifica a intervenção da Suprema Corte.

Relembre: Grupos se armam contra supremacistas nos EUA

Depois, os nove juízes vão examinar publicamente, pela primeira vez, o caso de uma pessoa trans. Nascida como homem, Aimee Stephens trabalhou por seis anos em uma casa funerária de Detroit, Estado de Michigan.

Quando anunciou para seu chefe sua decisão de assumir completamente sua identidade feminina, recebeu como resposta, duas semanas depois, um "isso não vai funcionar".

O proprietário da funerária, Thomas Rost, que se descreve como um "cristão fervoroso", alega que sua decisão se baseia na defesa de seus valores e na necessidade de "evitar tudo que possa incomodar" o luto de seus clientes.

Desde a histórica decisão sobre o casamento homossexual, a Corte se inclinou para o conservadorismo, com a chegada dos juízes indicados por Donald Trump. Isso significa que não está garantida uma vitória para a comunidade LGBT.

Em junho de 2018, apoiou um confeiteiro cristão que se negou a preparar um bolo de casamento para um casal gay, alegando ser contra sua fé. A justiça decidiu a favor do casal. / AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.