Reprodução/Facebook
Reprodução/Facebook

Supremacista branco é condenado por matar 9 negros em igreja de Charleston

Roof, de 22 anos, pode ser condenado à morte; júri voltará a se reunir no dia 3 para ouvir mais testemunhos e decidir a sentença

O Estado de S. Paulo

15 Dezembro 2016 | 21h04

Um júri federal considerou nesta quinta-feira, 15, o supremacista branco Dylann Roof culpado de todas as 33 acusações por matar 9 negros em uma igreja em Charleston, Carolina do Sul, em 17 de junho de 2015. 

Roof, de 22 anos, pode ser condenado à morte. O júri voltará a se reunir no dia 3 para ouvir mais testemunhos e decidir pela pena de morte ou prisão perpétua. 

Ele também responde a nove acusações em um processo estadual na Carolina do Sul, onde o julgamento começará em 17 de janeiro. 

Roof matou suas vítimas durante reunião de um grupo de estudos da Bíblia na Emanuel African Methodist Episcopal Church. Antes de disparar, sentou-se ao lado das vítimas, recebeu uma Bíblia e ouviu o debate. Polly Sheppard, de 72 anos, foi poupada para que pudesse “contar a história”.

A defesa não apresentou testemunhdas durante os sete dias de julgamento. Ela tentou apresentar evidências de que Roof tem problemas mentais, mas o juiz Richard Gergel afirmou que o argumento não tem nada a ver com o fato de ele ser culpado ou inocente. 

O rapaz pediu ao juíz para que possa fazer sua própria defesa durante a fase para se designar a penalidade contra ele. / REUTERS e AP  

 

Mais conteúdo sobre:
Carolina do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.