REUTERS/Brian Snyder
REUTERS/Brian Snyder

Supremacista que teria inspirado autor de ataque em Charleston doou a republicanos

Earl Holt III, do Texas, enviou pelo menos US$ 65 mil para pré-candidatos à Casa Branca em 2016 e para senadores e deputados eleitos; candidatos prometem devolver ou dar dinheiro para caridade

O Estado de S. Paulo

22 de junho de 2015 | 12h26

WASHINGTON - O líder de um grupo que defende a supremacia branca nos Estados Unidos e, possivelmente, influenciou Dylann Roof, de 21 anos, autor do ataque na igreja Mãe Emanuel que deixou 9 mortos, em Charleston, doou pelo menos US$ 65 mil dólares para campanhas recentes do Partido Republicano, incluindo a de pré-candidatos à Casa Branca em 2016, como Ted Cruz, Rick Santorum e Rand Paul.

Na noite de domingo, Cruz, senador pelo Texas, afirmou que devolveria os US$ 8,5 mil em doações recebidas de Earl Holt III, do Texas, que se identifica como o presidente do Comitê de Cidadãos Conservadores (CCC). 

"Ficamos sabendo nesta noite (de domingo) que o Sr. Holt contribuiu para a campanha", disse um porta-voz da campanha de Cruz em um e-mail enviado ao New York Times. "Vamos devolver imediatamente todas essas doações."

O jornal britânico The Guardian foi o primeiro a publicar reportagem sobre as doações feitas por Holt aos pré-candidatos republicanos, na tarde de domingo. 

No manifesto que Roof publicou em um site na internet, ele diz que tomou conhecimento dos "brutais assassinatos de braços por negros" por meio do site do CCC. "Neste momento, percebi que alguma coisa estava muito errada", diz o manifesto de Roof no trecho que cita o movimento de Holt.

Em uma declaração divulgada na internet em seu nome, Holt afirmou não estar surpreso de que o autor do massacre em Charleston tenha tomado conhecimento sobre os "crimes violentos de negros contra brancos" através de seu grupo porque ele seria, nas suas palavras, um dos poucos que têm coragem de falar sobre os "aparentemente intermináveis incidentes envolvendo brancos assassinados por negros". Holt afirmou, no entanto, que seu grupo não defende a violência e não deveria ser considerado responsável pelas mortes.

O CCC é reconhecido pela ONG Southern Poverty Law Center, organização de advocacia especializada em direitos civis e crimes de ódio, como uma organização extremista supremacista branca que qualifica a "mistura de raças" como uma afronta religiosa e calunia os negros como uma raça inferior.

Nesta segunda-feira, o comite presidencial de Rand Paul afirmou que ele também devolveria o dinheiro doado por Holt. "RandPAC (o comitê eleitoral de Rand Paul) doará esses valores para o Fundo da igreja Mãe Emanuel para ajudar as famílias das vítimas", afirmou Doug Stafford, estrategista-chefe de Paul ao Guardian.

Matthew Beynon, um porta-voz de Santorum, enviou um e-mail ao jornal britânico dizendo que o senador não tolera ou respeita comentários racistas ou de ódio de qualquer tipo. "Os pontos de vista da campanha são os do próprio senador e ele está focado em unir os EUA e não em dividi-lo."

Além dos pré-candidatos à presidência, Holt - que em alguns registros de doação se identifica como Done de alguns cortiços no Texas - também deu dinheiro para vários outros políticos que Partido Republicano que cumpriram ou ainda cumprem mandato no Congresso americano, incluindo os senadores Jeff Flake, do Arizona, e Rob Portman, de Ohio, o deputado Steve King, de Iowa, e os ex-deputados Michele Bechamnn, de Minnesota, e Todd Akin, do Missouri. / NYT

Tudo o que sabemos sobre:
EUACharleston

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.