Federico Parra/ AFP
Federico Parra/ AFP

Supremo da Venezuela decide que Juan Guaidó não é presidente do Parlamento

Corte declarou válido Conselho de Administração composto pelos deputados Luis Eduardo Parra Rivero como presidente, Franklin Duarte como primeiro vice-presidente e José Gregorio Noriega como segundo vice-presidente

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de maio de 2020 | 23h39

CARACAS - O Tribunal Supremo de Justiça da Venezuela (TSJ) decidiu nesta terça-feira, 26, que Juan Guaidó, um dos principais opositores do governo de Nicolás Maduro, não é o presidente legítimo da Assembleia Nacional (AN), o parlamento do país, e sim um dissidente da oposição, Luis Parra, que havia sido eleito para o posto em uma sessão polêmica no dia 5 de janeiro.

Reconhecido como presidente interino da Venezuela por mais de 50 países, Guaidó foi empossado como presidente reeleito do parlamento em cerimônia realizada na sede de um jornal após ter sido impedido de entrar na Assembleia por policiais e defensores do movimento chavista. Por outro lado, deputados governistas e um pequeno grupo de opositores do qual Parra faz parte e que é classificado como corrupto por simpatizantes de Guaidó tiveram a entrada permitida.

Dentro da sede parlamentar, Parra venceu uma votação para a presidência da Casa que não tinha o quórum de 84 deputados, como denunciaram Guaidó e outros opositores. Os votos não foram abertos, e jamais uma ata da sessão foi divulgada.

Dos 167 deputados da Assembleia, 112 se declaram opositores de Maduro. Os que tinham sido impedidos de entrar foram para a sede de um jornal e fizeram uma sessão paralela, diante da imprensa, para registrar que 100 parlamentares estavam presentes e votaram pela reeleição de Guaidó como presidente da Assembleia.

Hoje, além de declarar nulo o status de Guaidó como chefe parlamentar, o Supremo venezuelano também não reconheceu a legitimidade da direção que havia sido eleita no jornal. Por outro lado, validou a polêmica eleição vencida por Parra.

"A Câmara Constitucional do Supremo Tribunal de Justiça declarou válido o Conselho de Administração da AN (...) que é composto pelos deputados Luis Eduardo Parra Rivero como presidente, Franklin Duarte como primeiro vice-presidente e José Gregorio Noriega como segundo vice-presidente", disse a corte em comunicado.

A sentença também estabelece que qualquer pessoa pública ou privada "que empreste ou ceda espaço" para a instalação de um parlamento paralelo ou virtual "deve ser desprezada, e qualquer ato realizado como tal é nulo".

O TSJ alegou que a direção liderada por Parra, cuja legitimidade é questionada também por boa parte da comunidade internacional, não cometeu nenhuma "ação fora do âmbito da competência constitucional" na votação realizada em 5 de janeiro. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.